sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz Ano Novo!



Mês do autismo

Finalizando o mês do autismo junto com o ano de 2011, apresento acima as principais características, a fim de ajudar na identificação do problema.
É tempo de conscientização e responsabilidade porque, apesar das diferenças, somos todos iguais.

Feliz ano novo!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Semana da Educação Especial



 Semana da Educação Especial - tempo de conscientização e responsabilidade. Porque, apesar das diferenças, somos todos iguais.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Não é desculpa

Bipolaridade não é desculpa
para impaciência, falta de vontade
tristeza ou ansiedade
não é desculpa para violência
ou falta de clemência
não é desculpa para poucos amigos
nem ausência de caridade.

Eu escolhi ser tratada, tomar remédios
decidi ser chamada de endemoninhada
a despeito do que se passa aqui dentro
porque ninguém é obrigado a me aguentar
nem a suportar possíveis sintomas
ninguém é obrigado a ter que carregar
meus insuportáveis axiomas.

Bipolaridade não é desculpa prá crime
nem deslize, nem pecado,
se tenho um problema posso escolher ser diferente
e quem não pode, a família ou  amigo pode decidir ajudar.
Quem se omite é responsável
quem coloca a culpa no diabo mas não muda é culpado
e que se dane quem diz o contrário.

(Angela Natel - 26/12/2011)

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Someone like you...

Super-heroínas dos quadrinhos fazem exame de câncer de mama em campanha


As super-heroínas dos quadrinhos também entraram na campanha contra o câncer de mama.
A Mulher-Maravilha, Mulher-Gato, Tempestade e a Mulher-Hulk foram “fotografadas” fazendo o auto-exame.
As imagens são da nova campanha da Associação da Luta Contra o Câncer (ALCC) em Moçambique.
“Ninguém é imune ao câncer de mama. Quando falamos sobre câncer de mama, não existe diferença entre mulheres e super mulheres. Todas devem fazer o auto-exame mensalmente. Lute com a gente contra esse inimigo e, quando ficar em dúvida, fale com o seu médico”, diz o pequeno texto que acompanha a imagem.
A Mulher Invisível é única que ainda não foi vista aderindo a causa.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Virei a página


Mergulhei tanto hoje.
Mas tem uma hora que a gente acorda.
Acorda prá uma realidade que já sabia.
São dias em que o céu sem nuvens fica de um azul tão só, que me assusto.

Dias de verdades dolorosas.
Tudo é música, tudo é tempo. Passa sem passar.
Dias de fins que viram recomeços.
Porque só sei partir assim, depois dessas verdades que 
me arrebentam.

Mas... sem despedidas, por favor.
Fui.

.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Todos discriminam, todos somos discriminados

Nesta sociedade de disparates,
há mais diferenças do que semelhanças
o diferente intimida, separa
vivemos em busca de alianças.

O evangélico quer se afastar do "mundo"
esquece de onde vive e de quem deve amar
GLS se afastam de evangélicos
por idéias ouvidas ou pela atitude que os fez calar.

Mas a atitude de um não representa opinião de todos
a generalização é o erro de todos os lados
como um que faz escândalo não representa o todo
o que maltratou  não representa o total dos fatos.

Não quero rótulos para mim mesma
quero amar evangélicos e tatuados
GLSs, empresários, corruptos e necessitados
mas para isso preciso negar o egoísmo de minha essência.

Por isso, desafio a todos os leitores
a serem amigos, questionadores
não aceitarem rótulos nem prá si mesmos nem para outros
para podermos ultrapassar fronteiras em busca de um tesouro.

Por isso não adianta reclamar
que se é discriminado
porque todos discriminam, separam
todos lutamos por direitos de defesa conta o diferente.


E a maior riqueza que podemos ter
é sermos amados como somos
e sermos livres para amar a quem quer que seja
independente de nossa origem ou nossas diferenças.

(Angela Natel - 18/12/2011)


sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Natal de neve em Curitiba


 Apesar do empurra-empurra de uma turma de mal-educados que se postou ao nosso redor, e uma espera de mais de uma hora em pé, a expectativa era grande. A mãe e eu esperávamos bem ao lado do cenário pronto e montado para a apresentação.  Foi na praça Generoso Marques, às 20:30 horas que começou o chamado "Natal de Neve", a última apresentação programada.


Os vestidos das dançarinas eram muito legais e achei o máximo a preocupação de manter a altura dos personagens bem elevada, com elas sobre carros e eles sobre pernas de pau, além da bailarina principal num cabo içado sobre a construção. Assim, toda a multidão podia ver, sem perder nenhuma parte da história.


Apesar de movimentos simples, elas eram graciosas e interagiram muito com a multidão, até pegando máquinas fotográficas para tirar fotos. Foram muito queridas em todo o tempo e demonstravam muita alegria.


Elas juntas pareciam enormes flocos de neve dançando por todos os lados.

 O príncipe dançando com a lua parecia representar o sonho de toda menina, e a imagem evocava inúmeras outras na lembrança e nos desejo.


Os animais em pernas de pau foram breves em sua apresentação, mas bem divertidos, interagindo com o público.


Mas é claro que, ver a bailarina caminhando a 90 graus da parede da enorme construção e a neve (mesmo que falsa, feita de sabão) começar a cair, foi um momento indescritível, mágico. Ela dançou pela parede e pelo ar, girando, dando cambalhotas e pulando contra a gravidade graciosamente, enquanto os flocos caíam sobre nós. Foi demais! Ainda que simples, um singelo e único presente de natal.


Mamy e eu tentávamos guardar aquele momento, e se possível fosse, guardaríamos aquela falsa neve, de tão lindo que foi.


E a dança continuou, hipnotizando a todos, e a neve caiu, cobrindo as cabeças e acalmando os ânimos.


Parecia que se esqueciam dos empurrões da hora de espera, das transgressões das faixas de segurança, das crianças impacientes. A maior preocupação, com certeza, foi que as crianças não comessem o sabão.


Mas admirei demais aquela bailarina, porque tenho acrofobia (medo de altura), pela calma em seu semblante, pela leveza em seus passos naquela parede.


E foi um belo conto de natal, em que uma menina foi até a lua pedir autorização para que a neve voltasse a Curitiba.


E é claro que, para aliviar a vontade de comer neve das crianças, o algodão doce foi a sugestão, muito bem dada, por sinal.


O que restou foi o chão cheio de espuma, que era neve na imaginação.


A despedida foi linda, com neve, música e luzes.


E o papai Noel içado, magrinho para fazer acrobacias, para alegria da garotada.


Mamy e eu, como crianças, esquecemos o cansaço e nos divertimos em nossa própria cidade!


segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Crise

Não é outra turma
Nem instituição
Não é outro nome
Ou religião

Relacionamento
E perdão
Compromisso
de estender a mão.

Essas coisas não quebram
Nem se dissolvem no ar
Mesmo que a vida
Decida opinar

Não se pode perder
Um amigo assim
Do nada, sem querer
Só dizendo sim

Amigo de verdade
Respeita o outro
Ouve, entende
Não cobra retorno

Amigo que se preze
Não é uniforme
Relaciona o diferente
Ainda que o transforme

Não se pode ter medo
De quem se discorda
Não é possível dormir cedo
Sem perdoar quem não acorda

Se Jesus é o elo comum
Não há o que nos distancie
Ele é amigo, nEle somos um
Não importa o que em torno se crie.

Mas amizade é uma escolha
E depois de 20 anos se sente
Que é preciso plantar para que se colha
O que se é e o que se faz são coisas bem diferentes.

(Angela Natel – 12/12/2011)

Feliz Ano Novo!



Mês do autismo

Finalizando o mês do autismo junto com o ano de 2011, apresento acima as principais características, a fim de ajudar na identificação do problema.
É tempo de conscientização e responsabilidade porque, apesar das diferenças, somos todos iguais.

Feliz ano novo!

Semana da Educação Especial



 Semana da Educação Especial - tempo de conscientização e responsabilidade. Porque, apesar das diferenças, somos todos iguais.

The cause of my death...


I found out the cause of my death. What about you? 
http://www.facebook.com/yrftre?sk=app_285852271465234

Não é desculpa

Bipolaridade não é desculpa
para impaciência, falta de vontade
tristeza ou ansiedade
não é desculpa para violência
ou falta de clemência
não é desculpa para poucos amigos
nem ausência de caridade.

Eu escolhi ser tratada, tomar remédios
decidi ser chamada de endemoninhada
a despeito do que se passa aqui dentro
porque ninguém é obrigado a me aguentar
nem a suportar possíveis sintomas
ninguém é obrigado a ter que carregar
meus insuportáveis axiomas.

Bipolaridade não é desculpa prá crime
nem deslize, nem pecado,
se tenho um problema posso escolher ser diferente
e quem não pode, a família ou  amigo pode decidir ajudar.
Quem se omite é responsável
quem coloca a culpa no diabo mas não muda é culpado
e que se dane quem diz o contrário.

(Angela Natel - 26/12/2011)

Someone like you...

Super-heroínas dos quadrinhos fazem exame de câncer de mama em campanha


As super-heroínas dos quadrinhos também entraram na campanha contra o câncer de mama.
A Mulher-Maravilha, Mulher-Gato, Tempestade e a Mulher-Hulk foram “fotografadas” fazendo o auto-exame.
As imagens são da nova campanha da Associação da Luta Contra o Câncer (ALCC) em Moçambique.
“Ninguém é imune ao câncer de mama. Quando falamos sobre câncer de mama, não existe diferença entre mulheres e super mulheres. Todas devem fazer o auto-exame mensalmente. Lute com a gente contra esse inimigo e, quando ficar em dúvida, fale com o seu médico”, diz o pequeno texto que acompanha a imagem.
A Mulher Invisível é única que ainda não foi vista aderindo a causa.

Virei a página


Mergulhei tanto hoje.
Mas tem uma hora que a gente acorda.
Acorda prá uma realidade que já sabia.
São dias em que o céu sem nuvens fica de um azul tão só, que me assusto.

Dias de verdades dolorosas.
Tudo é música, tudo é tempo. Passa sem passar.
Dias de fins que viram recomeços.
Porque só sei partir assim, depois dessas verdades que 
me arrebentam.

Mas... sem despedidas, por favor.
Fui.

.

Todos discriminam, todos somos discriminados

Nesta sociedade de disparates,
há mais diferenças do que semelhanças
o diferente intimida, separa
vivemos em busca de alianças.

O evangélico quer se afastar do "mundo"
esquece de onde vive e de quem deve amar
GLS se afastam de evangélicos
por idéias ouvidas ou pela atitude que os fez calar.

Mas a atitude de um não representa opinião de todos
a generalização é o erro de todos os lados
como um que faz escândalo não representa o todo
o que maltratou  não representa o total dos fatos.

Não quero rótulos para mim mesma
quero amar evangélicos e tatuados
GLSs, empresários, corruptos e necessitados
mas para isso preciso negar o egoísmo de minha essência.

Por isso, desafio a todos os leitores
a serem amigos, questionadores
não aceitarem rótulos nem prá si mesmos nem para outros
para podermos ultrapassar fronteiras em busca de um tesouro.

Por isso não adianta reclamar
que se é discriminado
porque todos discriminam, separam
todos lutamos por direitos de defesa conta o diferente.


E a maior riqueza que podemos ter
é sermos amados como somos
e sermos livres para amar a quem quer que seja
independente de nossa origem ou nossas diferenças.

(Angela Natel - 18/12/2011)


Natal de neve em Curitiba


 Apesar do empurra-empurra de uma turma de mal-educados que se postou ao nosso redor, e uma espera de mais de uma hora em pé, a expectativa era grande. A mãe e eu esperávamos bem ao lado do cenário pronto e montado para a apresentação.  Foi na praça Generoso Marques, às 20:30 horas que começou o chamado "Natal de Neve", a última apresentação programada.


Os vestidos das dançarinas eram muito legais e achei o máximo a preocupação de manter a altura dos personagens bem elevada, com elas sobre carros e eles sobre pernas de pau, além da bailarina principal num cabo içado sobre a construção. Assim, toda a multidão podia ver, sem perder nenhuma parte da história.


Apesar de movimentos simples, elas eram graciosas e interagiram muito com a multidão, até pegando máquinas fotográficas para tirar fotos. Foram muito queridas em todo o tempo e demonstravam muita alegria.


Elas juntas pareciam enormes flocos de neve dançando por todos os lados.

 O príncipe dançando com a lua parecia representar o sonho de toda menina, e a imagem evocava inúmeras outras na lembrança e nos desejo.


Os animais em pernas de pau foram breves em sua apresentação, mas bem divertidos, interagindo com o público.


Mas é claro que, ver a bailarina caminhando a 90 graus da parede da enorme construção e a neve (mesmo que falsa, feita de sabão) começar a cair, foi um momento indescritível, mágico. Ela dançou pela parede e pelo ar, girando, dando cambalhotas e pulando contra a gravidade graciosamente, enquanto os flocos caíam sobre nós. Foi demais! Ainda que simples, um singelo e único presente de natal.


Mamy e eu tentávamos guardar aquele momento, e se possível fosse, guardaríamos aquela falsa neve, de tão lindo que foi.


E a dança continuou, hipnotizando a todos, e a neve caiu, cobrindo as cabeças e acalmando os ânimos.


Parecia que se esqueciam dos empurrões da hora de espera, das transgressões das faixas de segurança, das crianças impacientes. A maior preocupação, com certeza, foi que as crianças não comessem o sabão.


Mas admirei demais aquela bailarina, porque tenho acrofobia (medo de altura), pela calma em seu semblante, pela leveza em seus passos naquela parede.


E foi um belo conto de natal, em que uma menina foi até a lua pedir autorização para que a neve voltasse a Curitiba.


E é claro que, para aliviar a vontade de comer neve das crianças, o algodão doce foi a sugestão, muito bem dada, por sinal.


O que restou foi o chão cheio de espuma, que era neve na imaginação.


A despedida foi linda, com neve, música e luzes.


E o papai Noel içado, magrinho para fazer acrobacias, para alegria da garotada.


Mamy e eu, como crianças, esquecemos o cansaço e nos divertimos em nossa própria cidade!


Crise

Não é outra turma
Nem instituição
Não é outro nome
Ou religião

Relacionamento
E perdão
Compromisso
de estender a mão.

Essas coisas não quebram
Nem se dissolvem no ar
Mesmo que a vida
Decida opinar

Não se pode perder
Um amigo assim
Do nada, sem querer
Só dizendo sim

Amigo de verdade
Respeita o outro
Ouve, entende
Não cobra retorno

Amigo que se preze
Não é uniforme
Relaciona o diferente
Ainda que o transforme

Não se pode ter medo
De quem se discorda
Não é possível dormir cedo
Sem perdoar quem não acorda

Se Jesus é o elo comum
Não há o que nos distancie
Ele é amigo, nEle somos um
Não importa o que em torno se crie.

Mas amizade é uma escolha
E depois de 20 anos se sente
Que é preciso plantar para que se colha
O que se é e o que se faz são coisas bem diferentes.

(Angela Natel – 12/12/2011)