terça-feira, 26 de maio de 2009

Turbulentas situações


Decepção, dor, tristeza, raiva, sensação de abandono, pesar...

Tudo junto veio como uma bomba num e-mail que recebi do pastor da Igreja.

A Igreja me sustentava com um salário mínimo por mês desde julho de 2006, quando fui como missionária para Moçambique.

A agência missionária dava outro salário, e isso cobriu as despesas até aqui, pois meu marido nunca me sustentou. Foi sempre de doações espontâneas e essas duas fontes que bancaram minha sobrevivência - claro, tudo isso veio de Deus.

Então escrevi um e-mail ingênuo perguntando o que tinha acontecido, porque o depósito não caiu na conta.

Ingenuidade - afirmam que se comprometeram a me ajudar somente até abril deste ano.

A agência missionária tem pago meu aluguel, luz, internet e prestação do notebook. Meu pai tem pago minha água e os remédios.

O auxílio-doença do INSS vence este mês e não tenho $ para o médico para conseguir a declaração da nova perícia do INSS.

Um mato sem cachorro, como diriam muitos.

Não posso trabalhar por causa da saúde, quem me ajudava não ajuda mais, e ainda eles me dizem que 6 meses não é muito para esperar para resolver a situação do meu casamento?

Não é muito? Será que estou mesmo ficando louca?

E querem que eu fique quieta, sem fazer muita coisa ministerialmente falando.

Acho que querem que eu fique maluca de vez!

Não sei o que fazer!

Eu sei que Deus cuida de mim. Eu tinha uma conta de roupa de 100 reais para pagar. Não tinha nada na carteira ontem, e meu pai me deu $ para o ônibus para a psicoterapia. Depois que acordei, o pai de uma amiga minha me ligou dizendo que ía dar uma passada rápida em minha casa para cumprimentar-me. Em 10 minutos ele chegou. Ele quis saber como eu estava, nem entrou, mas me deu um dvd de um filme feito na África e uma nota de 100 reais dentro da caixa!

Ele se foi e eu caí de joelhos, porque eu não mereço tanto cuidado de Deus sobre a minha vida. Eu não sou melhor que meu marido, apenas faço coisas diferentes.

E eu estou cansada de me sentir abandonada pelos homens...

Não tenho segurança financeira nenhuma, mas não vou desistir de amar Jesus nem de trabalhar para Ele, ainda que ninguém mais reconheça meu chamado, ainda que ninguém queira me ajudar.

5 comentários:

Peixe disse...

Oi amiga, vc não está sozinha, estamos orando e Deus vai suprir todas as suas necessidades. Te amo. Bjs.

Lúcia disse...

Queria ver a cara da congregação ao saber o que fizeram com você. Onde já se viu... nem vou escrever mais nada. Sei que agora vc não consegue ver nada além do problema, mas Deus é justo e sua Palavra diz 'Aquele que me servir, o Pai o honrará", descanse nEle. Bjins

♥ RENATA ♥ disse...

linda, por mais difícil q esteja a situação nunca deixe de acreditar e buscar, afinla vc é uma leoa não é mesmo??? Força e fé e se precisar de uma amiga é só chamar, beijinhos

Lúcia disse...

Tentei comentar lá no guardiã da verdade, mas não consegui, q estranho... Vc tem algum estudo sobre a diferença entre holocaustos, ofertas (pacíficas) e sacrifício?

Hyanara disse...

ola!!!!!!quando tudo parec perdido,lembre-se que nao ha uma noite que não chegue ao dia!!bjuu

Turbulentas situações


Decepção, dor, tristeza, raiva, sensação de abandono, pesar...

Tudo junto veio como uma bomba num e-mail que recebi do pastor da Igreja.

A Igreja me sustentava com um salário mínimo por mês desde julho de 2006, quando fui como missionária para Moçambique.

A agência missionária dava outro salário, e isso cobriu as despesas até aqui, pois meu marido nunca me sustentou. Foi sempre de doações espontâneas e essas duas fontes que bancaram minha sobrevivência - claro, tudo isso veio de Deus.

Então escrevi um e-mail ingênuo perguntando o que tinha acontecido, porque o depósito não caiu na conta.

Ingenuidade - afirmam que se comprometeram a me ajudar somente até abril deste ano.

A agência missionária tem pago meu aluguel, luz, internet e prestação do notebook. Meu pai tem pago minha água e os remédios.

O auxílio-doença do INSS vence este mês e não tenho $ para o médico para conseguir a declaração da nova perícia do INSS.

Um mato sem cachorro, como diriam muitos.

Não posso trabalhar por causa da saúde, quem me ajudava não ajuda mais, e ainda eles me dizem que 6 meses não é muito para esperar para resolver a situação do meu casamento?

Não é muito? Será que estou mesmo ficando louca?

E querem que eu fique quieta, sem fazer muita coisa ministerialmente falando.

Acho que querem que eu fique maluca de vez!

Não sei o que fazer!

Eu sei que Deus cuida de mim. Eu tinha uma conta de roupa de 100 reais para pagar. Não tinha nada na carteira ontem, e meu pai me deu $ para o ônibus para a psicoterapia. Depois que acordei, o pai de uma amiga minha me ligou dizendo que ía dar uma passada rápida em minha casa para cumprimentar-me. Em 10 minutos ele chegou. Ele quis saber como eu estava, nem entrou, mas me deu um dvd de um filme feito na África e uma nota de 100 reais dentro da caixa!

Ele se foi e eu caí de joelhos, porque eu não mereço tanto cuidado de Deus sobre a minha vida. Eu não sou melhor que meu marido, apenas faço coisas diferentes.

E eu estou cansada de me sentir abandonada pelos homens...

Não tenho segurança financeira nenhuma, mas não vou desistir de amar Jesus nem de trabalhar para Ele, ainda que ninguém mais reconheça meu chamado, ainda que ninguém queira me ajudar.