sexta-feira, 24 de abril de 2009

Eu e minha boca grande


07/10/99
Pai, estou me sentindo estranha, errada, fora do lugar.
Não sei o que aconteceu, nem exatamente onde está o erro, mas sei das coisas erradas que fiz depois que o suposto aconteceu.
Perdoa-me, Pai, pela língua sem freio de ontem, pelo que eu disse às crianças (inclusive ao M.) e que não devia ter dito. Não foi só o que eu disse, mas, principalmente COMO eu disse. O fato de eu andar nervosa não me destitui da responsabilidade de assumir meus erros. Não posso justificar-me. Só Tu o podes fazer. Assim como também só Tu podes fazer de mim uma bênção para aquelas crianças e para todas as outras crianças que me rodeiam.
Tem misericórdia de mim e perdoa-me por não refrear minha língua ao demonstrar que sou dona da situação.
Eu não sou nada. Ajuda-me a viver e a morrer fazendo somente a Tua vontade.
Em nome de Jesus.

3 comentários:

Lúcia disse...

Dominar a própria língua é uma grande virtude!

james disse...

.

Misericórdia, e paz, e amor vos sejam multiplicados, amada irmã em Cristo, Lioness!

Quão necessário é termos humildade para "tentar" chegar ao Senhor e nos redimir por nossos erros, nossas falhas, nossa ingratidão por tanto Amor que o Senhor tem por nós...

Quão necessário é termos a consciência de que erramos constantemente, pela boca, pelo pensamento, pelos atos, que necessitamos de uma batalha diária com nós mesmos...

Nos interesses de Cristo e Sua Igreja.

Fraternalmente.

James.

Jesus, o maior Amor ///
Comunidade "Adoradores em Casas"///
...
..
.

blogdaleilahh disse...

Oie.Me identifiquei com vc aqui...tô lendo o livro da Joyce Meyer: Eu e minha boca grande...espero aprender muito com a minha língua.
Beijos.

Eu e minha boca grande


07/10/99
Pai, estou me sentindo estranha, errada, fora do lugar.
Não sei o que aconteceu, nem exatamente onde está o erro, mas sei das coisas erradas que fiz depois que o suposto aconteceu.
Perdoa-me, Pai, pela língua sem freio de ontem, pelo que eu disse às crianças (inclusive ao M.) e que não devia ter dito. Não foi só o que eu disse, mas, principalmente COMO eu disse. O fato de eu andar nervosa não me destitui da responsabilidade de assumir meus erros. Não posso justificar-me. Só Tu o podes fazer. Assim como também só Tu podes fazer de mim uma bênção para aquelas crianças e para todas as outras crianças que me rodeiam.
Tem misericórdia de mim e perdoa-me por não refrear minha língua ao demonstrar que sou dona da situação.
Eu não sou nada. Ajuda-me a viver e a morrer fazendo somente a Tua vontade.
Em nome de Jesus.